Menu

CUSTOMIZAÇÃO DE ROUPAS E PAREDES!

Falando sobre: Cotidiano
16 set 2017

Dia desses recebi um pacotinho super fofo da Kit & Kate aqui em casa. A loja tem itens legais para festa e kits de customização, seguindo bem na linha de faça você mesmo, que amamos!

Na minha caixinha vieram alguns patches, pra colocar em roupas, bolsas e acessórios e também cartelas de adesivos para customizar paredes. Isso mesmo, dá pra repaginar as paredes de casa sem precisar pintar!
Essa é uma alternativa super legal pra quem está com receio em modificar a decoração e não gostar ou pra quem vive em apartamento alugado, sem muita flexibilidade com isso.

Eu particularmente acho lindas paredes de poá e as cartelas que recebi são em preto e dourado, num tom mais fechado. As bolinhas tem 4,5cm, tamanho que considero até um pouco grandes, mas que permitem que sejam cortadas e transformadas em triângulos ou corações, por exemplo. Custumizando a customização haha

Percebi que entre as duas cores existe uma pequena diferença: as cartelas com bolinhas pretas são totalmente foscas, quanto as douradas tem um leve brilho acetinado. Gostei bastante dessa proposta, já que o dourado tende a ter brilho mesmo e, particularmente, eu adoro um brilho!

Separei algumas inspirações de paredes com bolinhas. Estou pensando em colocar em uma das paredes do meu quarto, assim que estiver pronto eu mostro aqui!
E pra quem está pesnsando na dificuldade em colar os adesivos todos certinhos e em padrão, não se desespere! Dá pra colocar meio fora de ordem que fica muito legal também, olha só:

 

Os patches que recebi vieram em dois kits, um militar e outro bem descolado de flamingo e olho. Já estou pesando em colocar os militares numa jaqueta e dar uma cara nova pra ela.

Se quiser conferir todos os produtos da Kit & Kate, passa no site, tem muita coisa legal e o atendimento é muito amorzinho <3

E o que você achou desse recebidos? Gostou das customizações?
Beijo!

LOOK DA KA: BODYCON DRESS – diy

Falando sobre: Cotidiano
10 maio 2017

Oi manas!
Hoje estou trazendo um look com o vestido que foi o hit do verão e continua super na ativa pro inverno. O bodycon dress é super coringa, porque vai do passeio no parque ao evento mais formal, só mudando os acessórios.

Ele tem toda a pegada anos 90 que estamos vivendo e ficou muito conhecido por ser o modelo mais usado pela Kim Kardashian. Como já é de se esperar, tudo que Kim K. usa tem aquela pegada mais elegante, mas sem deixar a sensualidade de lado.
E esse vestido é assim: todo justo pra botar o corpo na pista, mas em comprimento midi e gola alta.

O vestido bodycon fica muito bom em todo tipo de corpo, por ser um modelo clássico. Mas quem estiver com receio de marcar muito o abdomen, pode usar com uma jaqueta na cintura ou, se você for costurar o seu, tem a dica que eu dei no tutorial dele pra folgar um pouco nessa região. O vídeo está no final do post 😉

Eu montei dois looks com ele, o primeiro bem urbano, de tênis e jaqueta. É ótimo pra ir almoçar, passear ou para aquele dia em que vamos andar bastante.
A jaqueta coloquei na cintura e, além de completar o look, já fico protegida caso esfrie no final do dia.

O segundo look é super fácil: só colocar um salto bonito, jogar o cabelo pra trás e tá pronta pra tombar a vida!
Sério, tem modelo mais versátil que esse?

Eu usei malha canelada, que é a mais usada nesse modelo, mas você pode usar qualquer malha. Eu inclusive fiz outro, com mangas longas e usei um tricôzinho, ficou lindo!

Jaqueta – C&A
Tênis – Adidas
Scarpin – Arezzo

O tutorial completo você encontra aqui embaixo. Me conta nos comentários o que achou!

Um beijo!

LOOK DA KAH: T-SHIRT DRESS – CAMISETÃO VESTIDO DIY

Falando sobre: Costura, Cotidiano, Looks, Moda, Tendência
27 fev 2017

Oi manas!
Ando sumindo e voltando aqui do blog, peço desculpas pela falha! Quero voltar a alimentar o blog toda semana, então aguardem novidades por aqui 🙂

Trouxe hoje um look com T-Shirt Dress, aquele camisetão pra usar como vestido que tá super em alta. Eu não sou muito de sair com roupas mais casuais e esportivas, mas confesso que ando apaixonada por camisetões, inclusive André já perdeu algumas camiseta haha

Nesse look usei tênis branco com biqueira metalizada em rose gold, uma penca de tendências misturadas num sapato só!

Usei uma jaquetinha amarrada na cintura, já que a camiseta é bem simples e básica. Isso ainda ajuda caso esfriar um pouquinho, o agasalho já está ali (pareço até minha mãe falando haha).

Se gostou do look no fim do post tem vídeo com o passo a passo pra fazer essa camiseta. É bem simples, confere lá!


Assista aqui embaixo ao vídeo do passo a passo dessa camiseta e depois me conta o que achou!

https://youtu.be/vdHRMcpX9Sc

 

ADOTAR É TUDO DE BOM – OU QUANDO MINHA VIDA MUDOU

Falando sobre: Cachorro, Cotidiano
26 jan 2017

Quem me conhece ou me acompanha no Youtube já sabe que tenho duas cachorrinhas e, que ambas, foram adotadas. E também deve saber o quanto eu bato na tecla da adoção responsável (sim, porque além de adotar tem que estar ciente de toda a responsabilidade).

Mas nem sempre foi assim… Até a Laurinha me encontrar, eu não tinha a menor intimidade com cachorro, até achava fofo, mas na casa dos outros. E os vira-latinhas na rua? Esses eu mal conseguia ver 🙁

Tive uma cachorrinha na infância, a Jasmin. Ela veio a falecer por algumas doenças e complicações devido ao uso de anticoncepcional injetável e nunca ter ido ao veterinário.
Não consigo culpar minha família por isso, nós éramos muito humildes e ignorantes quanto aos cuidados de um cãozinho. Ainda estava longe de nós as informações de que o bichinho precisa de médico quando fica doente e que a solução para filhotes indesejados é a castração. Mas vamos falar desses pontos em outro post.

Bom, vamos voltar pra quando Laura nasceu na minha vida. Há quatro anos atrás, eu sempre saía bem cedo pra trabalhar e, numa manhã qualquer percebi um cachorrinho preto no portão de casa. O bairro que morava com a minha mãe era bem retirado e, infelizmente, as pessoas deixam seus bichinhos soltos. Por esse motivo achei que era de alguém e segui meu rumo.
Mais uma manhã chegou e o cachorrinho continuava alí. Na terceira manhã eu já estava preocupada, mas não sabia o que fazer.
A noite começou a chover forte então resolvemos colocar o cachorrinho pra dentro.
Esse cachorrinho era a Laura. E é por isso que eu digo que ela me encontrou e, mais que isso, ela não desistiu de mim e esperou o meu tempo pra conseguir deixá-la entrar na minha vida.

Ela estava dura de medo, mal se mexia, com muito custo se escondeu num cantinho da lavanderia. Devia ter por volta de 7 meses, mas já tinha sentido toda a maldade do mundo humano. Tinha sido abandonada, jogada em um córrego, ‘adotada’ por um monstro que espancava toda vez que ela fazia xixi (?). Mas o universo conspirou pra ela me mostrar um mundo novo e ter a chance de ter uma vida confortável, depois de ter sobrevivido a tanta coisa.

Laura me mostrou um mundo novo, um mundo onde não importava o quão mal me sentisse ou o quão irritada ficasse com ela: eu seria recebida com muita alegria, pulos e lambidas!
Ela me ensinou a ter mais coração e a ser mais feliz com a minha própria vida. Aprendi que amor pode vir de qualquer jeito e em qualquer lugar, mas se tiver patinhas, posso ter certeza que é o amor mais puro que existe.
Parece que minha venda caiu, passei a perceber outros bichinhos abandonados e meu coração começou a quebrar por cada um que eu não podia ajudar.

O tempo passou, muita coisa mudou e as necessidades da Laurinha mudaram um pouco. Viemos morar num apartamento e, apesar dos dois passeios diários, ela parecia triste o tempo todo.
Foi aí que percebi que precisava aumentar a família. Passei a mudar a rota dos finais de semana, pra passar nas feirinhas de adoção.
Mas a tarefa estava difícil, já que Laura não é muito amigável com cachorros machos e morre de medo de cães maiores que ela.

Já estava a ponto de desistir, mas não contava com a sabedoria do destino… Minha mãe soube de uma cachorrinha bebê, que estava sofrendo de maus tratos. Passava fome, era espancada diariamente, além de estar sendo ‘guardada’ para ser matriz em alguns meses.
Ela foi resgatada, mas não tinha pra onde ir e ia acabar na rua. Sim, essa era a Frida.

Foi muito difícil a adaptação da Frida em nossa casa, ela tinha medo de qualquer movimento e a defesa que ela tinha era morder. Pra colocar coleira ela mordia, pra dar comida, mordia também. Às vezes, só de passar perto dela eu era surpreendida por uma mordida.
Mas lembra o que eu disse sobre a entrada da Laura nessa família? Sim, o amor pode vir de qualquer jeito. E o da Frida estava escondido no meio do medo que ela sentia das pessoas. E foi o meu amor que tirou o medo dela, com muita paciência e carinho.
Em alguns meses ela começou a entender que não precisava se defender mais e foi percebendo que colocar coleira resultava em passeio, que a roupinha deixa quentinha e que nunca mais nada de mal iria acontecer com ela.

Com três meses em casa, pela primeira vez ela me pediu colo. Peguei bem devagar, porque mesmo querendo carinho, ela ainda estava receosa e tremia. Nesse dia eu chorei, não imaginava como podia ser gratificante o resultado do esforço que estava sendo reverter todo o mal que ela tinha vivido. Foi nesse dia que eu vi o que o amor pode fazer por um bichinho e o quanto ele pode te pagar de volta tudo isso.

Laura e Fridinha ganharam uma chance de vida, mas as consequências que isso ecoou mudaram a minha vida pra sempre.
Se quer saber, a presença das meninas faz muito mais bem pra mim do que qualquer coisa que eu possa fazer por elas.

Duvida? Vou te dar o exemplo mais forte de todos: eu tive depressão e minha família estava a ponto de acabar. Laura restaurou a minha alegria de viver e trouxe a harmonia que não existia mais em minha casa.
Parece mentira, mas ela é a grande responsável pela vida que tenho hoje.

Um focinho gelado e um lambeijo de bom dia podem fazer muito mais do que você imagina. É um remédio santo pra acabar com o mau humor matinal e ajuda a curar até depressão! Quando você menos esperar seu cãozinho vai confortar seu coração <3

Sabendo o quanto você pode mudar a vida de um ‘catioro‘ que só conheceu crueldade e que, não importa de onde ele venha, sua vida também vai mudar pra muito melhor, por que comprar?

O bichinho vai amar você sendo ele do pet mais caro da cidade ou vindo da rua, isso não tenho dúvidas. Mas a chance de mudar a vida de uma criatura que só conheceu o lado mau do mundo, você só vai ter adotando!

Adotar é um ato de amor, com o bichinho e com você mesmo. Te garanto que você vai ser tão feliz, como eu estou sendo 🙂

Você tem cachorrinhos? Eles foram adotados? Me conta aqui!

Beijo!

5 COISAS QUE APRENDI MUDANDO DE CASA

Falando sobre: Cotidiano
02 jan 2017

Recentemente falei nas redes sociais sobre minha mudança de casa. Pois é, em plena correria de fim de ano, eu mudei de casa. E de cidade também.

Mas essa não foi minha primeira mudança, por isso não considerei uma tarefa difícil. Tirando as mudanças que fiz com minha família enquanto criança (porque dessas eu não me lembro muito bem), já mudei de casa SETE vezes, contando com essa última.

Parece muita mudança pra uma pessoa só, ainda mais que nem fiz 30 ainda, né? Mas cada uma delas foi muito produtiva e, pra falar a verdade, nem me incomodaram muito.

 

1014424_771213382944903_4269374191951225167_n

Casinha de SJC <3

 

A primeira foi difícil, foi num período sofrido da minha família, no meio da separação dos meus pais.
Depois dessa vez, mudei pela primeira vez sozinha, sem minha família. Fui morar com André por uns tempos, já que meu plano era uma mudança diferente alguns meses depois.
De lá eu me mudei pra Nova York, fiquei um tempo fazendo intercâmbio. E mesmo lá, eu mudei 2 vezes de casa em um ano.

Quando voltei pro Brasil foi outra mudança: André tinha se mudado pra São José dos Campos, então voltei já pra uma casa totalmente diferente.
São José foi uma cidade muito boa pra mim, apesar de eu morrer de desgosto por não ter nenhuma opção de faculdade pra mim (pra quem não sabe, estudei tecnologia da informação, mas ainda sonho com um curso de moda).
Mas tirando os contratempos, a soma dos 2 anos na ‘grande cidade do interior‘ foi muito boa pro meu crescimento pessoal e profissional.

 

15433796_1296989690367267_654954532142658349_n

 

Eu tenho uma vida um pouquinho diferente, pois a profissão do André requer uma certa mobilidade. E como o meu trabalho é bem mais flexível, aqui estou eu me mudando novamente 🙂

Minha última parada está sendo a cidade de Santos, no litoral Sul de São Paulo.
A vida segue uma loucura, porque a gente sempre acha que tudo vai se ajeitar bem rapidinho, mas na prática não é bem assim. As caixas continuam a ocupar espaço, os móveis da casa anterior não servem pra nova e as visitas à lojas de mobília e decoração começam a ser recorrentes.

Sem contar meu espaço de trabalho, que é uma coisa super particular, já que preciso de uma espécie de ateliê, equipada para gravar vídeos e também um escritório. Então está sendo um grande desafio!

Nos próximos dias escrevo um post com inspirações de ateliê pra vocês. Sem deixar de ir documentando passo a passo da montagem do meu aqui e no Youtube! 🙂

Mas, como tudo na vida, minhas mudanças me ensinaram várias coisas e eu queria dividir um pouquinho com vocês:

1. Por mais que você se organize, mudança estressa
Sim, mudança é uma coisa altamente estressante. Tem que lembrar de cada coisa, que olha… Desde lembrar de separar tudo que estava esquecido nos armários dos banheiros, até fazer cálculos mirabolantes de comida, pra não desperdiçar nada no dia de mudar, mas também não passar fome até esse dia chegar.

2. Você tem coisas demais
Essa me faz rir toda vez que penso a respeito. Eu, literalmente, tirei uma montanha de coisas antes de mudar, enquanto separava as caixas do que ia levar. Só que chegando na casa nova, adivinha só? Outra montanha de coisas que eu não sei porque trouxe. Essa última mudança principalmente me fez enxergar o quanto de coisa inútil e NOVA estava pesando na minha casa e, consequentemente, na minha vida.

3. Planejar uma casa/vida nova é um desafio bom
E eu não estou falando de comprar coisas não! Esse sentimento não tem nada a ver com coisas novas, tem a ver com novos olhares, mesmo que sobre as mesmas coisas. Por exemplo o desafio de colocar seus móveis numa sala nova, talvez até aí você veja que ainda tem coisas demais!

4. A chance de acertar onde se errou antes
Quando mudei pra SJC ainda não tinha ideia de que trabalharia na internet, então nada foi pensado pra essa atividade. No meio do caminho até tentamos fazer umas modificações pra melhorar a mobilidade das minhas gravações, mas ainda não era o ideal. Aqui é diferente, já chegamos com os erros e acertos listados na cabeça.

5. A oportunidade de um novo começo
Quantas vezes pensamos em como seria bom poder recomeçar alguma coisa, em todas as coisas que faríamos de outro jeito e em tudo que seria diferente. Mudanças de casa podem ser a porta aberta pra isso. Temos uma casa nova, (no meu caso uma cidade nova também) uma tela nova pra pintar, novos lugares pra conhecer, amizades pra fazer, gente boa pra cruzar nosso caminho. E, se você tiver uma pessoa pra dividir a vida, porque não um novo começo no relacionamento também? Vamos deixar as velhas brigas na casa antiga, aproveitar cada passinho da casa nova juntos. Tudo depende do tanto de otimismo que você emprega!

 

993424_583728808360029_544776510_n

Segunda mudança em NY

 

Estou tentando não ser ansiosa demais, deixando tudo tomar o curso normal e fazendo uma coisa de cada vez, mas é difícil. Parece que a vida está me escapando, que o controle fugiu da minha mão. Mas agora só me resta paciência mesmo. E pastinhas de ideias no Pinterest haha

E o mais importante de tudo: Em vez de reclamar por ter que mudar, decidi agradecer a oportunidade de um novo ciclo e um novo começo!

E vocês, já mudaram muito? Me contem!